quinta-feira, 23 de julho de 2009

em breve, mais umaTragédia perto do seu lar


Livremente inspirado nas versões de Lars Von Trier e Pier Paolo Pasolini, A Caixa Preta de Medéia tem prólogo de Heiner Muller e texto adaptado a partir de Eurípedes.
O ator desconstruído, desconstrói a tragédia.
Desvenda o mito ao mundo de dentro dessa caixa preta,
falando na linguagem universal da pantomima e música.
O ator criador é autor de suas partituras físicas e melódicas.
O figurino também é de criação coletiva ator/direção e a cena é composta por todos os atores formando um organismo vivo, simbolicamente o organismo Medéia vermelho víscera e sangue.
As personagens são fragmentadas em suas personalidades e apresentadas ao mundo por atores diferentes; cada um com sua bagagem de vida, idiossincrasias, vozes, cores e imagens.
Apartir do estudo de Grotowski e Peter Brook o texto dito apresenta a Medéia bárbara, através dos tempos e suas sociedades. medéia-anti-material.
A Diretora Celina Sodré conduziu o elenco numa busca pela verdade cênica e camadas de significação para as imagens apresentadas, de forma poética e autoral.
A busca do segundo original.

2 comentários:

F. disse...

Brincando de pescoção?
Toooodo erudito...

Rluz disse...

escrevi para o programa da peça!!!
hehe
pescoção não saberia o que significa camadas de significado...
teoricamente talvez...