quinta-feira, 23 de julho de 2009

sombra ronda

nossa sombra na moto
no asfalto.

depois dessa curva,
depois que você vir
as jangadas no rio,
siga direto em frente.

acompanhe a estrada.

ela vira a esquerda
uma vez
depois
seguem-se vários motéis.

planejamos
experimentar todos.
um a cada noite!

no final
acabamos na sua casa.
nunca na minha.

porque não moro.
não mais.

não no mirante
não no farol
não na torre
não na acrópole

nunca acima das casas.
acima das cabeças.

mas a noite decido
passear a liberdade junto com o vento.

e o vento passeia a liberdade nos meus cabelos.
leva a fumaça pra longe.

então subo
e a liberdade passeia duas rodas
rosto ao vento
capacete leavntado!

Um comentário:

F. disse...

Motoqueiro sortudo. Nhé!