sábado, 5 de abril de 2008

Um Chester (por Clarice)


Pouco antes do natal passado ao passar por uma feira matinal de domingo na Tijuca, fotografei esse Peru. A intenção era blogar a foto na hora mesmo, mas não lembro porque razão não o fiz. Sei que na hora que vi no meio da cidade depois de anos, um peru vivo, fiquei um bem surpreso porque depois de um tempo sem esse contato com a vida "selvagem"(hehe) vc passa a achar mesmo que um chester é um bicho de laboratório ou que eles ja nascem embalados naquele plastico ou sequer pensa a origem do mesmo.
Não sou de frequentar feiras (só a da General Glicério que tem um pastel excelente e um chorinho de primeira).Talvez seja muito mais comum do que eu imagine a venda de perus em feiras. de qualquer forma, lembro de terem passado pela minha cabeça uma enxurrdada de idéias que faziam conexões entre si sem muita relevancia dentre eles as cartas da SUIPA que a Regina (minha amiga atriz, budista, e gateira) sempre lia pra mim (na esperança de eu me tornar sócio) especificamente uma carta de um janeiro que falava de dois perus magros rejeitados pelas donas de casa no natal, que foram resgatados nos aviários da cidade, que agora estavam sendo criados como os novos mascotes da Associação.
Lembrei da Ariadne que assistia TV cam as galinhas no sófá quando era criança .
Lembrei também de um conto de Clarice que ela conta a estória de uma galinha que recusou ir para a mesa e voou desconcertadamente para o alto da casa, e imaginei escrever algo referente a essa estória no blog. Vale dizer que dentro da caçamba da caminhonete haviam outros tantos perus não expostos. talvez porque não fossem majestosos como este garoto propaganda, mas fiquei imaginando também que ele poderia ser uma espécie de modelo do criador dede o dia em que recusou ir para o forno e adiquiriu respeito e o carinho das crianças tal como a galinha de Clarisse.
Bom, a história do peru realmente não veio.da estória real podemos especular: talvez tenha continuado majestoso, assado na mesa de natal no seu último momento de glória onde recebeu seus últimos elogios antes de sumir para sempre. talvez esteja ... ou talvez... ou talvez ...

Passei essa noite lendo um blog que gostei... (quase uma epifania) gostei do blog e dos donos (dois bichinhos de olhos arregalados). fiquei horas lendo coisas que me prenderam como ha muito tempo não acontecia na leitura de blogs.
Coisas sobre a Matriochka, uma bonequinha que a Regina trouxe de Moscow pra mim;
Li a estória do seu Zé que largou os vicios e se apaixonou pelo maracujá;
Descobri que nem tem tantas coisas assim que eu ainda preciso fazer antes de morrer (talvez deva fazer algumas de novo);
Maçãs e velhinhos enamorados que me fazem lembrar que preciso voltar a prestar atenção ao mundo à minha volta como se fosse um espelho porque na maioria das vezes o que rejeito dele é exatamente o que quero negar em mim;
Bom saber também que não estou sozinho no mundo quando grito: deixem me ser burro! não quero pensar ou ter opinião ! e que também não sou só eu que esqueço que choro ...
Li uma carta destinada a um tal de amor próprio que me pareceu familiar. será que o destinatário da carta é o mesmo que eu conheço? que vez em quando me dá um trato da forma mais cruel possível (à distância) e no final posso olhar no espelho e vê-lo ali, na forma de uma pessoa melhor...?

Bichinhos de olhos arregalados. Sua companhia essa noite foi muito boa, mas escrevi isso tudo só pra dizer que no meio de tanta coisa descobri uma outra estoria de galinhas por Clarice que me fez lembrar desse peru ali em cima. homenagem feita !

Queria dizer que não é difícil gostar de vocês, memo porque sempre simpatizei com pessoas que chamam Clarice Lispector apenas pelo primeiro nome.
li tanta coisa que perdi a noção do tempo e de repente estava ouvindo Bjork e querendo dizer um monte de coisas ... tudo isso que falei ...

... E que adorei as pernas do papai noel ... ;)
Posted by Picasa

2 comentários:

mariana disse...

entao, Ernest Beevers é um peru???
gluglugluglu!!!
Ou Chester Robin????

(adorei o seu texto!!! vi você conversando - é bom saber da voz de quem escreve - ouço a sua)

Que blog é esse que te pegou pela madrugada?

Anônimo disse...

As galinhas evoluiram...Fazem reuniões noturnas, regadas a café forte, fazem crochê e usam colar.
Clarice não acreditaria se visse tal coisa ou talvez nem se assustaria e até ajudasse as galinhas a escolherem, através dos seus contos, se devem usar Sorriso ou Colgate afinal me esquece de falar: As galinhas atuais possuem dentes.